Hipnose e Hipnoterapia

Hipnose e hipnoterapia, Resposta baseada em evidências Clínicas.

“A hipnose e a Hipnoterapia funciona e o suporte empírico é inequívoco a esse respeito. Realmente ajuda as pessoas”, diz Michael Yapko, PhD, psicólogo e membro da Sociedade Americana de Hipnose Clínica.

A hipnose pode criar um estado altamente relaxado de concentração interna e atenção focada para os pacientes, e a técnica pode ser adaptada a diferentes métodos de tratamento, como a terapia cognitivo-comportamental.

Os pacientes também podem se tornar mais capacitados aprendendo a se hipnotizar em casa para reduzir a dor crônica, melhorar o sono ou aliviar alguns sintomas de depressão ou ansiedade.

A hipnose tem sido usada há séculos para o controle da dor, inclusive durante a Guerra Civil, quando cirurgiões do Exército hipnotizaram soldados feridos antes de amputações.

Estudos recentes confirmaram sua eficácia como ferramenta para reduzir a dor. Entre os principais pesquisadores da área está Guy H. Montgomery, PhD, um psicólogo que conduziu uma extensa pesquisa sobre hipnose e controle da dor na Mount Sinai School of Medicine, onde é diretor do Programa de Medicina Comportamental Integrativa.

Em um estudo, Montgomery e colegas testaram a eficácia de uma sessão de hipnose pré-cirurgia de 15 minutos versus uma sessão de escuta empática em um ensaio clínico com 200 pacientes com câncer de mama. Em um artigo de 2007 no Journal of the National Cancer Institute (Vol. 99, No. 17), a equipe relatou que os pacientes que receberam hipnose relataram menos dor pós-cirúrgica, náusea, fadiga e desconforto.

O estudo também descobriu que o hospital economizou US$ 772 por paciente no grupo de hipnose, principalmente devido ao tempo cirúrgico reduzido. Os pacientes que foram hipnotizados necessitaram menos do analgésico lidocaína e do sedativo propofol durante a cirurgia.

“A hipnose ajuda os pacientes a reduzir sua angústia e ter expectativas positivas sobre os resultados da cirurgia”, diz Montgomery. “Eu não acho que exista mágica ou controle mental.”

Em um artigo de 2009 na Health Psychology (Vol. 28, No. 3), Montgomery e colegas relataram outro estudo, que descobriu que uma combinação de hipnose e terapia cognitivo-comportamental poderia reduzir a fadiga de pacientes com câncer de mama submetidos à radioterapia.

A pesquisa também mostrou os benefícios da hipnose para vítimas de queimaduras. Em um relatório de 2007 na Rehabilitation Psychology (Vol. 52, No. 3), Shelley Wiechman Askay, PhD, David R. Patterson, PhD, e colegas da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington descobriram que a hipnose antes do desbridamento de feridas reduziu significativamente a dor relatada por pacientes em um questionário de avaliação da dor.

Sem cura para tudo

As pessoas variam muito em sua capacidade de responder a sugestões hipnóticas, um traço que pode ser medido por escalas padronizadas. Mas não é bem compreendido o que causa os vários níveis de “hipnotizabilidade” ou seu significado.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) e a hipnoterapia se mostraram bem-sucedidas no tratamento da ansiedade. E, como eles compartilham o uso de imagens e relaxamento, há potencial para uma abordagem integrada.

Quando esses tratamentos são combinados, a hipnoterapia cognitivo-comportamental (CBH) pode melhorar o gerenciamento de transtornos de ansiedade e fobias (Golden, 2012).

A pesquisa mostrou que o CBH é bem-sucedido no tratamento de:

·Transtorno de ansiedade geral

· Ansiedade na entrevista de emprego

·Ansiedade de teste

· Fobia de avião

· Fobia escolar

· Ansiedade de falar em público

· Agorafobia

· Ansiedade de desempenho sexual

· Transtorno de estresse pós-traumático

A hipnose, no entanto, requer três componentes (Faymonville et al., 2006):

  • · Absorção – envolver-se totalmente na experiência imaginativa
  • Dissociação – a separação de componentes comportamentais normalmente processados ​​em conjunto, como ser um ator e um observador
  • ·Sugestibilidade – o aumento da tendência de “cumprir as instruções hipnóticas”

Embora a hipnoterapia pareça promissora como tratamento para vários problemas que determinam a saúde física e psicológica, grande parte da pesquisa parece falha por causa do design ruim do teste. Portanto, mais estudos de alta qualidade são necessários para entender melhor seu potencial para melhorar a dor crônica, depressão, sono e distúrbios alimentares (Chamine et al., 2018).

Então, a hipnoterapia realmente funciona?

Sim, a ciência confirmou que a hipnoterapia pode mudar nossa perceção e comportamento.